Generalista versus Especialista

 

 

Para muitos profissionais, a carreira é construída com pequenos passos, muitas vezes pode ser iniciada numa oportunidade de estágio e naturalmente conduzi-los para uma especialidade. Outros, porém, vivenciam várias áreas, setores e, com o tempo, tornam-se generalistas. De fato, o mercado de trabalho é exigente e busca mesclar esses dois perfis profissionais que, em conjunto, refletem os resultados almejados pela companhia.

 

Mas saber escolher entre ser um profissional especialista ou generalista, nem sempre é decisão clara porque a carreira conduz para caminhos não imaginados. Esse é o caso do divulgador especialista da Editora Moderna, Rafael Patriarca Domingues. Ele optou pela graduação em Educação Física, mas acabou se identificando e se aperfeiçoando para evoluir na área comercial. “Percebi que poderia ser feliz nessa área, porque sempre fui muito preocupado com minha carreira profissional. Por isso, optei por cursar dois MBAs, na área de gestão administrativa e de pessoas. Desta forma, busquei sempre me destacar para ter promoções de cargo como reflexo do meu trabalho. De certo modo, não planejei ser especialista em alguma área, mas busquei sempre o meu desenvolvimento profissional”, enfatiza.

 

Igualmente importantes, os profissionais generalistas também são valorizados pelo mercado de trabalho, uma vez que adquirem um pouco de conhecimento sobre vários assuntos, devido à sua trajetória multifacetada. Desta forma, podem contribuir em diversos projetos e atuar em várias direções, o que atende à necessidade do mercado na busca de profissionais com uma visão ampla do mundo corporativo, foco na carreira e no trabalho.

 

Com um ou outro perfil, o profissional não deve ser estático. Precisa agir com flexibilidade para mudar a todo o momento, adequando-se a novas realidades e estar preparado para quando a oportunidade ou a necessidade surgir. Para o colaborador da Editora Moderna, a transição foi tranquila e hoje se torna mais clara e feliz: “Gostei muito de ser generalista, mas estou muito contente com o desafio de ser especialista. Saber que você é capaz, que seu relacionamento está fazendo diferença, que está sendo reconhecido nos seus clientes é muito bom. Hoje posso dizer que, se tivesse que escolher, escolheria ser especialista”, encerra.

Produtividade: conheça o método pomodoro

 

Ser mais produtivo, desempenhar bem as tarefas, cumprir prazos. Essa é a busca diária de muitos profissionais. Mas, conquistar esses objetivos tem sido um desafio constante, diante das altas demandas de trabalho no ambiente corporativo. Pensando nisso, o italiano Francesco Cirillo teve a ideia de utilizar um cronômetro de cozinha com o formato de um tomate para gerenciar o seu tempo. Nesse momento, nascia o método pomodoro (tomate, em italiano), desenvolvido no final dos anos 80 como técnica que procurava uma maneira de aumentar a produtividade.

 

Na prática, o método consiste em trabalhar por blocos de tempo, chamados de pomodoro. De acordo com suas pesquisas, Cirillo percebeu que, ao separar as atividades com pausas entre as tarefas, as pessoas se tornam mais produtivas. Isto é, ao reservar 25 minutos para cada tarefa, sem interrupções, a pessoa torna-se mais focada e, naturalmente, executa suas atividades de forma mais eficiente. Ao empregar a técnica, o profissional, no fim de cada pomodoro, deve fazer uma pausa de cinco minutos, e a cada quatro ciclos deve fazer uma pausa mais longa, de 30 minutos.

 

Sabidamente, algumas tarefas não se limitam a apenas 25 minutos para serem executadas, por isso, o período pode ser flexível, para que o profissional avalie e defina o tempo necessário para o seu cumprimento. Sua utilização é fácil, basta estar atento a algumas dicas, confira:

 

  • Crie uma lista de tarefas no começo do dia, identificando as que já estão determinadas e reservando um espaço para as que possam surgir.
  • Evite interrupções, como acessar redes sociais, ler e-mail ou levantar para tomar um café. Todas as interrupções externas também devem ser deixadas para depois, a não ser que sejam de extrema urgência.
  • Comece a executar a primeira tarefa cronometrando os 25 minutos (ou o tempo que for necessário). Ao final do pomodoro, assinale a tarefa e faça uma pausa de 5 minutos. Aproveite para se levantar, caminhar, ou fazer outra atividade que ajude a relaxar.
  • Passe para uma nova tarefa, definindo mais um pomodoro.
  • A cada quatro pomodoros, faça uma pausa mais longa, de 30 minutos, até voltar ao trabalho. 

A liderança feminina no mundo corporativo

 

Exercer um cargo executivo é o objetivo de diversos profissionais, mas essa conquista se limita a um percentual ainda baixo de mulheres. Isso porque, apesar da atuação da mulher, no cenário corporativo são poucas as que conseguem ocupar as cadeiras da alta chefia e, quando conquistam, deparam-se com uma liderança isolada e muitas vezes sem perspectivas.

 

Romper a barreira de gênero e alcançar cargos de chefia exigem esforço e dedicação, e aquelas que atingem o auge em suas carreiras se veem a todo momento tendo que mostrar sua capacidade e eficiência. Em contrapartida, ao assumir esses cobiçados postos, precisam lidar com o isolamento em razão da falta de abertura do mercado para posições ocupadas por mulheres. Dados do International Business Report apontam que, no Brasil, o percentual de cargos executivos ocupados por mulheres é de apenas 19%, muitas vezes decorrente da falta de condições apresentada pelas empresas, como também da existência de ambientes desiguais.

 

Por causa desse cenário, muitas mulheres estão reaprendendo a comandar e tornando-se líderes, no sentido exato da palavra: são capazes de influenciar as ideias e ações de outras pessoas, sem se isolar no comando. Mas, para obter sucesso nessa empreitada, precisam mostrar que podem exercer a liderança focada em pessoas e não em gênero, rompendo com o tabu que certos cargos e empresas ainda mantêm.

 

Em outras palavras, a valorização de cargos ocupados por mulheres não implica renegar o modelo masculino, mas o ideal é que, em todos os níveis das empresas, existam 50% de homens e 50% de mulheres. Esse equilíbrio é que torna o ambiente rico e favorece o máximo de produtividade.

Série – Uso adequado dos recursos da empresa – ramal e celular

 

Para boa parte dos executivos brasileiros, utilizar o celular como ferramenta de trabalho não é mais novidade, pelo contrário, tornou-se necessidade. Com a chegada de novas tecnologias, o acesso a vários serviços ficou ainda mais fácil, e esses profissionais podem conferir e-mails, navegar na web e utilizar aplicativos que até então estavam limitados aos computadores. Graças a esses recursos, que vêm facilitando cada vez mais a rotina dos colaboradores, o benefício deixou de ser privilégio de diretores e, em algumas empresas, está à disposição das equipes.

 

Além do celular corporativo, outro meio importante de comunicação são os telefones corporativos, os conhecidos ramais internos. Amparados por esses canais, os colaboradores têm à disposição algumas ferramentas que facilitam a condução de suas atividades. Mas, o que para muitos pode ser uma ferramenta para melhorar a eficiência, para outros acaba se tornando de uso pessoal.

 

Muitos colaboradores vêm utilizando os telefones em vantagem própria, prática que tem comprometido a oferta do benefício. E como forma de se resguardar, algumas empresas investem em medidas restritivas, de maneira a inibir o mau uso. Outras ainda, aplicam sanções mais severas, como o monitoramento ou mesmo a retirada dos recursos.

 

Se utilizados com atenção, com respeito às normas e aos limites, os telefones podem ser extremamente úteis. E para saber como usufruir com qualidade, confira algumas dicas:

 

  • Utilize o aparelho, celular ou fixo, apenas para fins de trabalho.
  • Esteja atento quanto ao tempo de uso do telefone, evite conversas particulares por longos períodos.
  • Evite baixar jogos ou demais recursos pelo celular, exceto se for algo ligado diretamente ao trabalho.
  • Procure se informar sobre o limite de acesso a dados móveis e minutos para utilização. Se houver, respeite-o.
  • Ao utilizar o telefone fixo para chamadas interurbanas, ou para celular, confira se há uma operadora específica.

Pessoas verdadeiras: como reconhecê-las?

 

Já dizia Friedrich Nietzsche: “É só dos sentidos que procede toda a autenticidade, toda a boa consciência, toda a evidência da verdade”. Em suas palavras, o filósofo alemão revela a importância de observar, não somente o que é dito, como também os gestos e as atitudes das pessoas. Levando a máxima para o ambiente corporativo, muitas vezes os recrutadores aplicam testes e lançam mão de um olhar mais apurado para selecionar um candidato.

 

Mas antes de ser um método de seleção, reconhecer a autenticidade das pessoas pode ser vantajoso em muitos aspectos. Isto é, ao observar como as pessoas realmente são e chegar mais próximo de suas verdades, é possível desvendá-las e conhecê-las, e, dessa forma, notar se sua personalidade está alinhada a uma necessidade específica. Evoluindo no tema, outro filósofo alemão também define a autenticidade. Para Theodor Adorno, a palavra pode ser empregada quando o desejo é reconduzir ao que é correto, ao que é verdadeiro.

 

Ao investir em algumas estratégias, portanto, é possível fazer com que as verdades se revelem, empregando mais atenção onde há menos vigilância, e, desta forma, descobrir se a pessoa é, de fato, a mesma por dentro e por fora. Ou seja, sua imagem reproduz, mais ou menos, o que ela é em seu íntimo. Isso porque, no ambiente de trabalho, alguns profissionais costumam fingir ser o que não são com o objetivo de agradar à equipe ou a seus superiores.

 

E para reconhecer pessoas verdadeiras, é possível recorrer a algumas ações:

 

  • Teste prático: a melhor maneira para observar o conhecimento de alguém é no momento em que for exigida a aplicação de determinada habilidade. Uma pessoa realmente conhece um assunto quando sabe praticá-lo.
  • Atenção aos detalhes: ao observar o comportamento das pessoas, dê mais atenção às pequenas histórias. A atenção nos detalhes, quando há menos vigilância, aponta com mais facilidade as diferenças entre autêntico e falso. Exemplo: notar a atitude de um profissional que não recolhe o lixo que deixou cair e que defende boas práticas como referência de educação e cidadania.
  • Lei do garçom: observar se a forma como uma pessoa age com seu superior é a mesma utilizada para tratar as pessoas de menos poder, assim, é possível notar aspectos ligados ao trabalho em equipe, à cooperação, à capacidade de mostrar empatia.